• Poesia
  • Prezada Página

    prezada pagina

    prezada página és tu que aguenta a caneta pesada do poeta o bater compassado da máquina a pancada do cartucho a tinta te sangrando em símbolos — papel aguenta tudo — em ti colocamos as palavras por vezes como coloca-se as crianças nos ônibus escolares outras vezes como jogamos nossas roupas na bagagem sofres quieta […]

  • Conto
  • Fracasso

    fracasso

    O ar fresco encheu os pulmões quando passei meio tropeçando pela saída da balada sertaneja. Já não havia a aglomeração de pessoas de algumas horas atrás. Os labirintos de cordas e postezinhos iluminados pela luz da rua projetavam sombras paralelas na calçada. À esquerda, uma série de arbustos com folhas curtas ladeavam o muro de […]

  • Conto
  • Adoção

    cachorro

    Aí quando o cachorrinho da vizinha morreu (um cão de rua, machucado, foi recolhido por compaixão, não tanto por pedigree), tomei providências. Vesti minha fantasia de Pluto e bati na sua porta. Ela abriu e me viu deitado, chorando caninamente. Meus olhos esboçavam tristeza. De pronto me acolheu, balançando a cabeça. Entrei em seu apartamento […]

  • Conto
  • Quer Morrer?

    quer morrer

    Bêbado. Ri de nossa vidinha sórdida. Olhos apertados, passos duvidosos gravitando sob o concerto de buzinas e gritos. Os carros são obrigados a acompanhar a coreografia. Ele tropeça, pedra no meio do caminho, levanta num giro, aponta para mim, para você! Tentativas de interromper o fluxo, se dar importância. Uma tragédia?! Acharia conveniente que fosse […]

  • Conto
  • Tempo

    tempo

    Meu pai ainda sabia como manusear um jornal. De manhã, o café fumegando, colocava os óculos de aro fino e escondia o rosto por trás daquelas grandes folhas cinzentas. Primeiro lia as manchetes, aproximando as mãos para mudar de página, depois retirava o caderno com a matéria que escolhera, segurando a folha com uma só […]

  • Conto
  • Shoegazing

    shoegazing conto

    Dobrando à direita, notava-se antes de mais nada uma pitangueira, única árvore da rua, iluminada diretamente pela luz amarela do poste, que a deixava inteira marrom. O pavimento era de paralelepípedo, enquanto a calçada exibia diversas combinações de ladrilhos, desde o tradicional petit pavé, os mosaicos deformados por sucessivos reparos mal feitos, até blocos rachados […]

  • Poesia
  • Mulher Sábia

    halley poema

    Ao filho que nasceu Deu-lhe o nome Halley,   Porque já estava Mais do que na hora De todos relembrarem De Que estamos Só de passagem, Só… de… passagem. Por Cidinha Hosoya   Cidinha Hosoya é o pseudônimo de Aparecida Donisete Massarenti Hosoya, nascida em Osvaldo Cruz – Sp, em 1963. Graduada em Letras e […]