Onde Vivem Os monstros

Onde Vivem os Monstros é uma obra clássica da literatura infantil, publicada em 1963. Tentativas de adaptá-la ao cinema começaram nos anos oitenta, sob liderança da Disney, mas o projeto fracassou e os direitos foram vendidos para a Universal Studios em 2001. Após mais oito anos de desenvolvimento, a obra, agora capitaneada por Spike Jonze, finalmente chegou aos cinemas.

Apesar de suas origens, Onde Vivem os Monstros é um filme para adultos – e mesmo adultos podem achá-lo triste e introspectivo demais. A adaptação do livro de Maurice Sendak é complexa, já que a obra original tinha apenas nove frases. A história acompanha a vida de Max, um garoto cheio de imaginação, mas que se vê constantemente frustrado com as atitudes daqueles a sua volta. Após brigar com a mãe, Max foge e encontra um bote em uma lagoa. A lagoa vira um oceano, e logo Max está na ilha dos Monstros, criaturas gigantescas e assustadoras, mas que não são más. Os Monstros o elegem rei, mas Max verá que não é simples ter de lidar com as expectativas de seus súditos.

Onde Vivem os Monstros é uma obra importante tanto em termos técnicos como artísticos. A necessidade de fazer um garoto contracenar com personagens gigantescos levou a um híbrido de computação gráfica, pessoas fantasiadas e dublagem. A inovação funciona: é muito difícil distinguir entre filmagens “reais” e efeitos digitais. Jonze se aproveita disso para criar uma atmosfera onírica, por vezes fantasmagórica, que mimetiza as emoções de Max. O diretor foi criticado por ter preenchido o filme com concepções adultas a respeito da infância, ao invés de criar um mundo convidativo ao público infantil. De fato, os monstros funcionam como alegorias para os personagens da vida real de Max, o que permite ao diretor expor emoções complexas, muitas vezes contraditórias. Dizer que é um filme inadequado para crianças é subestimá-las, mas é a nós, adultos, que é preciso lembrar que a infância é um período em que bichos-papões são tão reais quanto Papai Noel.

Por Henrique Fanini Leite

Gostou? Deixe seu comentário!