O Linguajar (Homo Interlocus II)

A gente não entende,

A gente não sabe,

Porque tanta gente

A gente quer que se acabe.

 

A gente supõe,

A gente impõe,

Pra que tanta gente

Possa saber o que a gente sabe.

 

A gente esquece,

Sequer reconhece,

Que pra muita gente em vida

Esse saber enlouquece.

 

A gente diz,

A gente fala,

Que a palavra,

Sendo dada e confirmada,

É o que nos prepara

Pra si ser gente e não mais cara.

 

“Minha cara,

Se tu fala,

Há de ser face,

Há de ser bala!

Que atira

E golpeia

Aquele que só balbuceia.

E, portanto, nada cala.

 

Há de calar

Quem incendeia

Teu universo vocabular!

 

Há de calar

Quem dá o tema

Nesse rompante palavrear!”

 

Louco sabe,

Louco diz

Que locução é transviar.

 

Pervertem o lócus

Pervertem o logos

E portanto adoecem o linguajar.

 


Nascida no dia 11 de Setembro de 1995, Bárbara Piazza é uma estrangeira terrestre que bate as asas e levanta vôo, queima-se vez ou outra e se inunda de qualquer matéria que extrapole a força gravitacional. Diletante, militante, psicóloga e escritora nas horas vagas, acredita que só a antropofagia nos une e que um dia ela será documentarista dos instantes.

Gostou? Deixe seu comentário!