Aquele Mesmo Vento

 

Quando ele vinha – aquele vento amigo –

a me chamar com um sussurro doce,

eu já sabia: vem brincar comigo!

E eu me ia leve, qual se brisa fosse…

 

Quantos momentos divinais me trouxe

aquele nosso passatempo antigo

até que um dia (qual de nós cansou-se?)

a brincadeira fez-se afago… e sigo…

 

Pelos lugares antes percorridos

caminho ainda: lábios contraídos,

andar sem rumo, olhar de quem padece…

 

Hoje ele passa – ainda é o mesmo vento –

e após olhar-me só por um momento

passa por mim… e não me reconhece!

 


Janske Schlenker nasceu em 26 de Janeiro de 1933, em Amsterdã, Holanda, mas vive no Brasil desde o primeiro ano de vida. Começou a escrever poesia aos 15 anos de idade. Aos 18, começou a publicá-las na Tribuna de Petrópolis. Colabora em periódicos e é autora de diversos livros. Ocupa a cadeira 16 da Academia Paranaense de Poesia.

1 Comentário

  1. Sérgio Souza fala: Responder

    Que beleza! Que sutileza! Que originalidade! ! ! ! ! ! !

Gostou? Deixe seu comentário!